notícias
14 Jun
Entrevista de Presidente do Centro de Frutologia no programa “Faça Chuva, Faça Sol”

O programa “Faça Chuva, Faça Sol” destacou, ao longo de 13 programas, vários projetos de fruticultores, mostrando, ainda, o programa de ação do Centro de Frutologia Compal. José Jordão, Presidente do Centro de Frutologia, abordou a importância desta iniciativa para o setor frutícola.

José Jordão recorda que o Centro de Frutologia Compal começou por ser “uma aventura” mas que agora, 5 anos passados, trata-se de “um ecossistema que reúne vontades e competências de muito mais gente, parceiros desde a primeira hora”. São estes parceiros que contribuem para que se cumpra a missão do Centro de Frutologia, “que sempre foi e continuará a ser, de inovar o setor hortofrutícola em Portugal, nomeadamente o da fruticultura, e de promover a fruta portuguesa”. Para José Jordão, este é “um desígnio que nos move a todos e que nos entusiasma a todos”.

Outro dos temas abordados foi a Academia, com o Presidente do Centro de Frutologia a explicar o surgimento da iniciativa: “A Academia surgiu como primeira manifestação de vontades porque era importante para esta missão de promover a fruta portuguesa e de modernizar este setor que acontecesse um espaço em que se transferisse conhecimento e desse conhecimento de novas técnicas”. As pessoas que vão para a Academia vêm “das mais variadíssimas proveniências, até de formação superior. Tivemos gente de arquitetura, psicologia, gestão”, refere.

José Jordão assinala que “a Academia é um espaço de formação”, em que os formandos “contactam com realidades de exploração já em funcionamento, contactam com novas técnicas mas sobretudo saem com a capacidade de tornar os seus produtos muito mais valorizados do que eram antigamente”. “Isso, para nós, é muito gratificante”, considera.

Emitido na RTP2, o programa “Faça Chuva, Faça Sol” é uma produção da Associação dos Jovens Agricultores de Portugal (AJAP). Neste magazine semanal, que tem a agricultura como pano de fundo, mostram-se projetos inovadores e de referência, bem como novas formas de gestão agrícola.

A entrevista de José Jordão está disponível aqui.